Avatar de: Luiz Marenco

Luiz Marenco





Playlists
    1. Pra o Meu Consumo
    2. Batendo Água
    3. Quando O Verso Vem Pras Casa
    4. Cantador de Campanha
    5. Meus Amores
    6. Destinos
    7. Milonga Abaixo de Mau Tempo
    8. Senhor Das Manhãs de Maio
    9. Sonho Em Flor
    10. Ressábios
    11. Caso a Lua Fosse Cheia
    12. Filosofia de Andejo
    13. Ultima Lembrança
    14. Pra os Dias Que Vem
    15. Meu Rancho
    16. De Bota e Bombacha
    17. Romance Do Pala Velho
    18. Onde Andará
    19. Recuerdos da 28
    20. Destino De Peão
    21. Um Vistaço na Tropa
    22. De Boca Em Boca
    23. Por Ela
    24. Dobrando os Pelegos
    25. Fundo de Campo
    26. Da Boca pra Fora
    27. Os Silêncios Das Janelas do Povoado
    28. Quando Alguém Vem Na Estrada
    29. Querência, Tempo e Ausência
    30. Na Baixada Do Manduca
    31. A Campo Fora
    32. Milongão Pra Assobiar Desencilhando
    33. Contigo Me Vou de Tiro
    34. Enchendo os Olhos de Campo
    35. Andarilho
    36. De Volta de Uma Tropeada
    37. De Estância e Saudade
    38. Funeral da Coxilha
    39. De Boas Vindas
    40. Estampa Domingueira
    41. De Lua Linda
    42. Assim No Más
    43. Os da Ùltima Tropa
    44. Esse Jeito de Domingo
    45. O Canto do Guri Campeiro
    46. De Saltar Calando
    47. Final de Seca
    48. Rincão dos Touros
    49. Bem Querer
    50. A Moda Martín Fierro
    51. Todo o Meu Canto
    52. A Boa Vista do Peão de Tropa
    53. Aquele Zaino
    54. Flor de Yuyo
    55. Espera
    56. De Tempo e Tropa
    57. O Forasteiro
    58. Os Olhos Claros da Alma
    59. Estrela D'Álva
    60. Vassoura de Guanxuma
    61. Na Minha Solidão
    62. Alma de Campo
    63. Cansando o Cavalo
    64. Moura Negra
    65. Changueiro de Vida e Lida
    66. O Silêncio
    67. Amadrinhador
    68. Cada Interior
    69. Estradeiro
    70. Batendo Casco
    71. Quando a Alma Volta Pra Terra
    72. Alma de Galpão
    73. Depois Dos Sonhos Talvez
    74. Meu Pago
    75. De a Cavalo
    76. Milonga de Cola Atada
    77. Estâncias da Fronteira
    78. Milonga da alma
    79. O Silêncio.
    80. Bailes do Boqueirão
    81. Meus Dois Amigos
    82. Rincón de Toros
    83. Parece a Vida
    84. Meu Peito tem um Rincão
    85. Meu Relato
    86. Cova de Touro
    87. Sal dos Olhos
    88. Charla de Domador
    89. De Estância, Alma e Tempo
    90. Que tem nome de Querência
    91. Botando Um Pealo
    92. Mis Amores
    93. Pra Quem Faz Pátria Num Basto
    94. Gateado Pêlo de Sol
    95. Bailongo No Mato Grande
    96. Lamento do Laçador
    97. De Vida E Caminhos
    98. Décima do Potro Baio
    99. Fulanos e Sicranos
    100. Sovando Um Pelego
    101. Gineteada de Basto
    102. Das Precisão Pra Viver
    103. Este Jeito de Domingo
    104. Num olhar de quem se vai
    105. Alma de Espelho de Rio
    106. Todo esse verde nos olhos
    107. Último Sonho Xirú
    108. De Alma, Campo e Silêncio
    109. Milonga Para Cantar Querencia
    110. Bem Pro Sul
    111. Chamarrita de Galpão
    112. Assim Se Vai "p`a Três Cruzes"
    113. Em Cima do Laço
    114. Meu Pingo
    115. Milonga Crioula
    116. Talvez Algum Dia
    117. Ave Maria da Guitarra
    118. Estrelas de Chão
    119. Perfil de Estrada e Tempo
    120. Da Alma Branca Dos Que Têm Saudade
    121. Andapago
    122. De Laço Nos Tentos
    123. Campesino Cantador
    124. Campereando
    125. Gateada Madrinha
    126. Juntando Os Gravetos
    127. Na Folga do Pingo
    128. Pra Contrariar a Quietude
    129. Camperiando
    130. Interior
    131. Volta de Tropa
    132. Rastos e Milongas
    133. De Noite... Ao Tranquito
    134. Toada de Ronda
    135. O Último Adeus de Quem Ganha o Céu
    136. Estrada Real
    137. Décima da Estância
    138. Querência, Uma Releitura
    139. Rincão da Saudade
    140. Grito Largo
    141. Milonga Pra Quem Partiu
    142. Recuerdos Posteiro
    143. Fandango Na Fronteira
    144. Firmando o Garrão
    145. De Pouca Prosa
    146. Porque Canto Solito
    147. Pra Contrariar Quietude
    148. Tarico Sanchez
    149. Alma Pampa
    150. Cavalo Bom Vai Pro Céu
    151. Correndo as Varas do Peito
    152. Nos Bailes da Guampa Preta
    153. Olhos Pampa
    154. Vaneira da Bossoroca
    155. Pago Perdido
    156. Canto de Quem É Campo
    157. Flor Colorada
    158. Bandeira da Guerra
    159. Milonga de Mil Colores
    160. Um Gaúcho vem da Fronteira
    161. Milonga Missioneira
    162. Ritual de Fronteira
    163. De Manhã Cedo
    164. Rastros Y Milongas
    165. Milonga Das Tres Banderas
    166. Se Eu Me Chamasse Chamamé
    167. Duende Musiqueiro
    168. Comparsão de Janeiro
    169. Alma De Galpón
    170. O Primeiro Canto
    171. A Memória da Pedra
    172. Alma de Estância e Querência
    173. Eu E O Rio
    174. Aos Olhos da Terra
    175. Ringindo os Arreios
    176. Entre Mãos e Tentos
    177. Evocando
    178. Ementário de partida
    179. Vaneira da Quitéria
    180. Mágoas de Posteiro
    181. Prelúdio Ao Alvorecer
    182. Pueblero de Allá Ité
    183. Fronteiro de Alma e Pampa
    184. O Sal Dos Olhos
    185. Assim Se Vai P'a Três Cruzes
    186. De Santa Clara Ao Além
    187. Passo da Noite
    188. Foi bem assim o que vi...
    189. Mundo e Carona
    190. Tu recuerdo en los espejos
    191. Memorial À Terra
    192. Balcão de Pulperia
    193. Sombra de Touro
    194. Quando Me Encontro Solito
    195. Payador, Pampa E Guitarra
    196. Charla de Fronteira
    197. Deserdado
    198. Estrela de Estrada Inteira
    199. Pra Quem Avista Ivituatã
    200. Trancaço
    201. Sangue Pampa
    202. No Calor das Labaredas
    203. De Terra, Campo e Galpão
    204. Milonga De Garras
    205. Santana da Boa Vista
    206. Estrelas da Macega

    Senhor Das Manhãs de Maio

    Luiz Marenco

    Meu galpão de alma tranquila ressuscita todo dia
    Cada vez que o sol destapa sua silhueta sombria
    E desenha cinamomos na minha querência vazia

    Senhor das manhãs de maio ceva este mate pra mim
    Que eu venho a tempos de lua minguando os sonhos assim
    Os que eu posso sonho aos poucos os que eu não posso dou fim

    {Silencio quando posso quando quero sou estrada
    Diviso as coisas do tempo bem antes da madrugada
    Numa prece que bem lembro refaço minhas orações
    Pai nosso que estais no céu precisai vir aos galpões}

    No descaso dos galpões solito quando me vejo
    É que se achega a saudade com seus olhos de desejo
    Pondo estrelas madrugueiras neste céu de picumã
    Parecendo que se adentra pra contemplar minha manhã

    Meus sonhos domei pra lida pra minha rédea ao meu gosto
    Pras dores da minha alma se ela cruzar este agosto
    Por favor senhor dos mates não deixe a manhã tão triste
    Mateia junto comigo que eu sei que tu ainda existe

    {Silencio quando posso quando quero sou estrada
    Diviso as coisas do tempo bem antes da madrugada
    Numa prece que bem lembro refaço minhas orações
    Pai nosso que estais no céu precisai vir aos galpões
    Pai nosso que estais no céu precisai vir aos galpões.}

    1. Faça seu login e cadastre-se
    Aviso legal · Entre em contato - Studio Sol © 2014 Ouvirmusica.com.br
    -