Ouvir Música

A Peleja do Gonzagão x Téo Azevedo

Luiz Gonzaga

Já corrí trecho de mundo
Defendendo meu enredo
Com a sanfona no peito
Não sou homem de ter medo
Na peleja do calango
Convido Téo Azevedo
Calango vem, calango vai } bis
Calango fica, calango sai

Seu Luiz, eu tou pronto
Pra travar a cantoria
Mergulhar o meu sertão
No mundo da poesia
Ponteando a minha vida
Ao nascer de um novo dia

Calango vem, calango vai...

Sou matuto nordestino
De guarda-peito e gibão
Precata e chapéu de couro
De lidar com o barbatão
A tristeza que aparece
Eu faço dela uma canção
Calango vem, calango vai...
Meu espelho é um aboio
Quando brota o amanhã
No canto da araponga
Respondendo o jaçanã
Gorjeando o rouxinol
No lamento, o acauã

Calango vem, calango vai...
Sou sertão, sou pé-de-serra
Cantador e sanfoneiro
Eu sou o cheiro da terra
Sou o rio e tabuleiro
Sou a fé no Padre Ciço
O Santo do Juazeiro

Calango vem, calango vai...

Eu sou filho de Teófilo
Que no verso era arisco
Catumã, violeiro
Ligeiro que nem Corisco
Da banda norte mineira
O Estado, São Francisco

Calango vem, calango vai...

Sou fío de Januário
Tocador de oito baixo
Sertanejo até a tampa
Eita! Velho que era macho!
O poeta da sanfona
Que nunca caiu do cacho

Calango vem, calango vai...

Sou a terra do piquí
Da cachaça e do tutú
Do quiabo com galinha
Oró pro angú
Do panã, do surubim
E da farofa de tatu

Calango vem, calango vai...

Sou da terra do jabá
Do guizado e da buchada
Carne de sol de dois pelos
Requeijão e umbuzada
Grimum, sarapaté
Macaxeira e coalhada

Calango vem,calango vai...

Meu sertão tem cantilena
Do repente e violeiro
Calango, lulu guiano
Marujada e seresteiro
Caboclinho e catoquê
Isso é côco violeiro

Calango vem, calango vai...

Sou da terra da embolada
Xote, baião e xaxado
Do frevo e maracatu
Da novena e do reizado
Côco, forró e rojão
E do repente improvisado

Calango vem, calango vai...

Vamos parar o calango
Encerrar nosso por fim
Viva treze de dezembro
Dia de Santa Luzia
O Senhor fez setenta anos
Com a sanfona e simpatia

Calango vem, calango vai...

Obrigado Téo Azevedo
Um poeta sei que sôis
Completei setenta anos
No ano de oitenta e dois
Dia treze de dezembro
Não podia ser depois

Calango vem, calango vai...
Editar playlist
Apagar playlist
tem certeza que deseja deletar esta playlist? sim não

Momentos

Playlists Relacionadas

Ver mais playlists →

O melhor de 3 artistas combinados