Rita

Strata G

Ya
Net tape união verbal
Strata, Karabinieri da-me beat

Tinha apenas 7 quando tudo aconteceu
O pai aproveitou-se e ela nem se apercebeu
Rita, era a menina mais bonita
Flor em crescimento, a pura dolcevita

Durante a noite, no quarto ela via vultos
Rita, bem-vinda ao mundo dos adultos
Este foi o primeiro de muitos abusos
E quando o tempo passou, deixou vizinhos confusos

As idas ao hospital passaram a ser frequentes
Pois, acabavam em soro, marcas e tratamentos
Mas, Rita foi crescendo e guardando essa dor
Num sonho incolor cheio de raiva e rancor

Na vida a preto e branco, onde o preto predomina
Rita, a menina lá da esquina
O tempo passava e a menina não sorria
Porque, ela só chorava quando o pai a possuía

Porque ela só rezava pra que tudo acabasse
Esse bandido trouxe-lhe um olhar baço

E a stora dizia que ela andava distraída
Podera men, vivia com um suicida
E quando dava o toque da campainha
Ela não queria ir pra casa e muito menos sozinha

Agarrava em lápis e pintava no caderno
Uma casa com a morada do Inferno
O código-postal era o 666
Onde o Diabo a penetrava e ditava todas as leis

A TV da vida, onde se vê nu e cru
Não pintava o pai, ela pintava Belsebu
Pintava uma mãe imaginária a dourado
Imagem rotinária, ver o pai embriagado

E a palavra de ordem, agora
É sobreviver, porque ele não quer saber
E já nem lhe dá de comer

Não se preocupa
Já nem se importa com ela
Rita, é um insecto
Vista à lupa, numa sela

Forçada a crescer nesse clima hóstil
Juntamente com uma besta, que adorava esse estilo
Um triste, que não tinha outro nome
É triste... Porque ele ainda tinha fome

E não te enganes que não é comida de mesa
Porque ele era o predador
E a menina era a presa

Assim acontecia, não falhava a 6ªfeira
Cumpria a profecia, com Cristo na cabeceira
Mas, além da 6ª, já era habitual
Toda a semana, era o puro ritual

Mês, após mês
Ano, após ano
Vez, após vez
Ele tornou-se profano

Olhava-se no espelho
E adorava o que via
Rita, olhava o espelho
E detestava o que via!

Sentia-se inferior
Um olhar adormecido
Num filme de terror
Que não queria ter conhecido

O pior é que esse cobarde
Guardava o massacre em cassete
Filmava tudo, no fim publicava na net

Mas Rita aguentou só até aos 17
É melhor ouvires o resto, boy, porque isto promete!

Um dia chega a casa virada do avesso
Pôs a mala no chão
E ao pé dela, pôs o terço

Rezou a Deus e antes de tudo
Pediu perdão
Ela tinha medo, mas
Tinha convicção

Com uma faca na mão
À espera que ele entrasse
Queria acabar com tudo
Antes que ele a penetrasse

Ele abre a porta e diz
Desculpa o que tenho feito!
Mas com a morte da tua mãe
Eu perdi o teu respeito
Nunca fui perfeito
Perdoa-me ter-te tocado!

Ela espeta-lhe a faca e diz
Estás perdoado!

Isto é para todas as pessoas que já foi abusada por esses
Parasitas
Porque há por aí muitas Ritas!
Ya
Editar playlist
Apagar playlist
tem certeza que deseja deletar esta playlist? sim não

Momentos

O melhor de 3 artistas combinados