Avatar de: Baitaca

Baitaca





Playlists
    1. Do Fundo Da Grota
    2. História Do Tico Loco
    3. Nego bom não se mistura
    4. A Cavalo Na Verdade
    5. A Evolução Me Entristece
    6. Lida Campeira
    7. Castração A Pialo
    8. Pedido de Um Pai Pra Filho
    9. Secretário de obra
    10. O Valor Que Uma Mãe Tem
    11. Lamento de Pobre
    12. O Novo Encontro Com O Tico
    13. Tenho Orgulho De Ser Campeiro
    14. Pinto Papudo
    15. Campeiro que Canta Triste
    16. Da Doma Pro Rodeio (part. Mano Lima)
    17. Baile De Bugio
    18. Cordeona Veia
    19. Frutas da Mata
    20. Cuiudo do Alegrete
    21. Xucro de Berço
    22. Versos Chucros
    23. De Chão Batido
    24. Bagual Sem Freio
    25. Meu Rio Grande É Deste Jeito
    26. Reformando a Muié Véia
    27. Estampa de Galpão
    28. Casamento À Moda Antiga
    29. Missioneiro Extraviado
    30. Marca De Campo
    31. Mais Pra Louco Do Que Certo
    32. É Perfumado Mas Fede
    33. Tapera
    34. Chineiro E Dançador
    35. Bailanta Da Boneca
    36. Da Templa Antiga
    37. Dedo Inchado
    38. Égua Baldosa
    39. Um Gaiteiro a Moda Antiga
    40. Fazenda da Viúva
    41. Obrigado Velho Pai
    42. Caçada De Sapo
    43. Pra Ser Campeiro
    44. Na Fazenda Ferradura
    45. Cada Vez Mais Xucro
    46. Coiceando a Cola
    47. Mordendo a Perna do Freio
    48. Encontrei a Marcolina
    49. Um Bagual Corcoveador
    50. Bugio Foragido
    51. Coice e Relincho
    52. Vida Braba
    53. Crioulo Guapo
    54. Me Orgulho Em Ser Da Campanha
    55. Bugio Lacaio
    56. Retoço de Xucro
    57. Peão Sem Sorte
    58. Vida de Campeiro
    59. Preferido Das Muié
    60. Destrinchando o Bagualismo
    61. Trancão Fandangueiro
    62. História de Tico Louco
    63. Cavocando Rimas
    64. Domador Ventena
    65. Das Missões Para o Rio Grande
    66. Rodeio Campeiro
    67. Meu Canto a Francisco Vargas
    68. Rodeio de Vacaria
    69. Gastando o Taco da Bota
    70. De Tudo Um Pouco
    71. Galpão Crioulo
    72. Fogo, Galpão e Cordeona
    73. Falsas Promessas
    74. Palanque Missioneiro
    75. Surungo de grota
    76. Mal Farquejado
    77. Vida Gaudéria
    78. Sinto Orgulho do Que Sou
    79. Desta Vez Foi Mal De Festa
    80. No Lombo Bagual do Verso
    81. O Guasca
    82. Xote de Patrão
    83. Honra Missioneira
    84. Poeta Pobre
    85. Lamento de Xucro
    86. Recanto Hospitaleiro
    87. Cavalo Velho
    88. Soltito ao Vento
    89. Quando Canta Um Missioneiro
    90. Defendendo a Pátria
    91. Peão Caprichoso
    92. Campereada
    93. Surungo Costeiro
    94. Parceiro Em Comparação
    95. Fineloismo Campeiro
    96. Sou Assim Na Vida Real
    97. O Doutor, o Padre e o Peão
    98. No Meio Dos Quatro Ventos
    99. Vivo Contente Por Sentir Saudade
    100. Tropeando O Passado
    101. Marca De Campo
    102. Batendo matraca
    103. Pra Que Eu Quero Voltar
    104. Andejo

    Trancão Fandangueiro

    Baitaca

    O meu chapéu dá quase um palmo de aba
    Bombacha larga com cinco metro de pano
    No meu pescoço lenço branco ou colorado
    Esparramado no peito desse pampeano
    O céu azul é minha coberta que me tapa
    E a rima guapa é a minha cama onde eu me deito
    Cutuco a rima enquanto a cordeona soluça
    E o verso xucro escramuça na invernada do meu peito
    Cutuco a rima enquanto a cordeona soluça
    E o verso xucro escramuça na invernada do meu peito

    Nesse tranco fandanguero, dexa que eu me vá
    Nesse em balo galponeiro quero ver me segurá
    Sou bagual, sou caborteiro, ruim de me domá
    Aço ruim de derreter e sou pau ruim de farquejá

    Gosto de ver uma cordeona resmungando
    E retoçando numa vanera cuiúda
    Danço arrodiado num balanço socadito
    Agarradito numa morena parruda
    Se por acaso no meio na polvadera
    Um bagacera dá uma de valentão
    Mostro pra ele que índio macho de respeita
    E o bagacera se ajeita na folha do meu facão
    Mostro pra ele que índio macho de respeita
    E o bagacera se ajeita na folha do meu facão


    Nesse tranco fandanguero, dexa que eu me vá
    Nesse em balo galponeiro quero ver me segurá
    Sou bagual, sou caborteiro, ruim de me domá
    Aço ruim de derreter e sou pau ruim de farquejá

    Encilho o pingo e já salto pra o arreio
    Vou prum rodeio que o compromisso me chama
    Tiro de laço, gineteada e paleteada
    E na noitada tem o fandango na grama
    Subo no palco e faço um show de respeito
    Abro meu peito pra gauchada campera
    E a inspiração vem das palma da platéia
    E o verso salta da idéia que nem zebu da mangueira
    E a inspiração vem das palma da platéia
    E o verso salta da idéia que nem zebu da mangueira


    Nesse tranco fandanguero, dexa que eu me vá
    Nesse em balo galponeiro quero ver me segurá
    Sou bagual, sou caborteiro, ruim de me domá
    Aço ruim de derreter e sou pau ruim de farquejá

    1. Faça seu login e cadastre-se
    Aviso legal · Entre em contato - Studio Sol © 2014 Ouvirmusica.com.br
    -