Avatar de: Ênio Medeiros

Ênio Medeiros





Bicho da Chuva

Ênio Medeiros

Os bicho-preto vem subindo na coxilha
Anunciando vento frio e temporal
Vem caminhando uns em cima dos outros
Ladeira acima fugindo do banhadal

Só quem entende a previsão dos home antigo
E observa o jeito dos animais
Espera agosto com a tulha cheia de bóia
Batata doce, linguiça nos varais

Meu poncho velho que me abriga do rigor
E eu vou contando pra esses jovens de caderno
Que nunca viram uma lagoa virar vidro
Nem bicho-preto anunciar o rigor do inverno

Verão que vem vou trabalhar igual formiga
De lenhador, porque essa é minha sina
Se os bicho-preto repontarem na coxilha
To no meu rancho mateando com a minha china

O vento norte vem chorar embaixo das porta
Pedindo chuva o carão já faz três dias
A geada preta vem gelando até a alma
Saiu dos Andes passando por Vacaria

Bicho da chuva não se sabe aonde nasce
Se ingerido a galinha e porco faz mal
Se for ao norte anunciando tempo bom
Se for ao sul vai baixar o temporal
Se for ao norte anunciando tempo bom
Se for ao sul vai baixar o temporal

Meu poncho velho que me abriga do rigor
E eu vou contando pra esses jovens de caderno
Que nunca viram uma lagoa virar vidro
Nem bicho-preto anunciar o rigor do inverno

Verão que vem vou trabalhar igual formiga
De lenhador, porque essa é minha sina
Se os bicho-preto repontarem na coxilha
To no meu rancho mateando com a minha china

Meu poncho velho que me abriga do rigor
E eu vou contando pra esses jovens de caderno
Que nunca viram uma lagoa virar vidro
Nem bicho-preto anunciar o rigor do inverno

Verão que vem vou trabalhar igual formiga
De lenhador, porque essa é minha sina
Se os bicho-preto repontarem na coxilha
To no meu rancho mateando com a minha china

  1. Faça seu login e cadastre-se
Aviso legal · Entre em contato - Studio Sol © 2014 Ouvirmusica.com.br
-