Amazônia: Nossa Luta em Poesia - Manifesto do Povo Floresta

Boi Caprichoso

Punhos erguidos aqui
De braços dados até o fim
Liberdade é arte que triunfa e voa
Valentes, guerreiros, tutores
Guardiões azulados, protetores
Cingidos de poesia o nosso canto ecoa, ecoa!

(Ôh-ôh, ôh-ôh-ôh-ôh, ôh-ôh-ôh)
Amazônia, nossa luta em poesia
(Ôh-ôh, ôh-ôh-ôh-ôh, ôh-ôh-ôh)

Amazônia da vida, morada dos deuses
Das aves em bando, dos rios
A cura da terra, a luz da ciência
Esperança futura a iluminar

Amazônia das gentes, das mentes
Dos povos, antigos e novos
Das penas e braços, de aldeias, barrancos
Cabanos e povos indígenas

Amazônia festeira, de gente de beira
Canção da alegria, pura poesia
Vem celebrar, na dança, no passo
Batuque do meu boi bumbá

Amazônia, território ancestral
Ribanceiras, palafitas
Viventes da vida ribeirinha

Um rio agigantado corre em teu ventre
Erguendo os clamores de toda essa gente
Misturados num canto só

Eu sou Tupi, Parintintin, povo marcado
Banto, Nagô, martirizado
Eu sou negro, sou caboclo, poeta por inteiro

Punhos erguidos aqui
De braços dados até o fim
Liberdade é arte que triunfa e voa
Valentes, guerreiros, tutores
Guardiões azulados, protetores
Cingidos de poesia o nosso canto ecoa, ecoa!

Amazônia, é nossa luta!
Amazônia, é meu clamor!
Amazônia em poesia
Manifesto do povo floresta

Amazônia, é nossa luta!
Amazônia, é Caprichoso!
Amazônia em poesia
Manifesto do povo floresta
Ao som do tambor
Editar playlist
Apagar playlist
tem certeza que deseja deletar esta playlist? sim não

Momentos

O melhor de 3 artistas combinados