Beleza Divina

Juliana Andrade e Jucimara

Lá no sítio onde eu moro
É uma beleza divina
Eu me deito e me levanto
Sem apito e sem buzina

Porque lá não tem indústria
E nem carro dobrando a esquina
O meu carro é minha égua
Que caminha muitas léguas
E não gasta gasolina

Eu não troco a minha égua
Manga larga e campolina
Com mais de um metro de rabo
E com dois palmos de crina

Por um carro importado
Nem que venha da Argentina
Minha égua é mais que um carro
Anda por cima de barro
Não encalha e não patina

Sou caboclo pé rachado
Ninguém muda a minha sina
Gosto de viver no mato
E seguir boas doutrinas

Meus filhos são bem criados
Debaixo da disciplina
Deles não sinto vergonha
Nunca falaram e maconha
E não conhecem cocaína

De segunda à sexta-feira
Não mudo minha rotina
Labuto com a minha roça
E quando a semana termina

Pra aquelas beiras de rio
Eu saio bater corvina
Pego lambari, tambiú
No meu covo de bambu
Feito de taquara fina

Com o clima do meu sítio
Ninguém não se contamina
Gozo de boa saúde
Não procuro medicina

A gente sente o ar puro
Entrando pelas narinas
Poluição por lá não passa
Lá em casa só faz fumaça
Quando acendo a lamparina

É por isso que eu não troco
A minha casa na colina
Sem muralha e sem calçada
Sem vidraça e sem cortina

Por um prédio na cidade
Rodeado de vitrina
Caboclo mora onde eu moro
Bebe água pura sem cloro
E come arroz sem parafina
Editar playlist
Apagar playlist
tem certeza que deseja deletar esta playlist? sim não

Momentos

O melhor de 3 artistas combinados