Sagrado Ofício

Luizinho & Limeira

"Eu desde pequeninho, trabaiava lado a lado
com meu véio pai,carpinteiro afamado. E qundo eu fiquei home, por não ter nada guardado, reneguei aquele ofício, que com tanto sacrifício, ele havia me ensinado".
Meu pai o senhor devia mandar eu ter estudado
Pra ser doutor ou engenheiro hoje eu seria afamado,
com o dinheiro e a glória pro mundo eu tinha viajado
Que sendo carpinteiro, não passo de um desgraçado
Com o zóio cheio d'água meu véio pai me falô
"Nosso pão de cda dia, inda pra nóis num fartô. Sempre tivemo agasaio quando o inverno chegô e sempre demo ismola a quem dela precisô".
Que vale isso meu pai, se nóis num sabe o que é bão
Hoje o dinheiro é que manda em todas repartição
E até sinto vergonha por eu não ter instrução
Quando pego uma caneta, me dói os calo da mão
"Meu fio, a maior riqueza num é na Terra que tem, e o poderoso dinheiro não compra um home de bem. O teu sagrado ofício, meu fio, não envergonha nimguém, Jesus o fio de Deus foi capinteiro também".
Depois do sábio conselho, eu vi na luz da verdade
Que todo ofício é bão, vivendo na honestidade
Hoje sou home feliz, não penso mais em vaidade
O que aprendi com meu pai, levarei pra eternidade
Editar playlist
Apagar playlist
tem certeza que deseja deletar esta playlist? sim não

Momentos

O melhor de 3 artistas combinados