Registro

Sant

Alvo favorito dos enquadros
Sem etnia maquiada, sou preto, não pardo
4P punho cerrado, pela gente da minha gente
Homem de farda dispara a esmo
O mesmo que te enquadra, fedendo a sangue de inocente

Mas 'tamo' ai pra morrer
Vivendo um dia por vez com poucos planos pro futuro
E se eu chegar aos 33, é lucro
Virando as páginas
Dando sorrisos aonde já terei lagrimas

Transformar centenas e milhares, significa
Dinheiro não se gasta, se multiplica
E a soma de complexos resulta num revoltado
Somos reflexos do meio em que fomos criados

Passam dias, quando acorda, tarde
Nem me fale, passou a vida lutando pelo que nem sabe
Almejando xota molhada, fama, like
Morrendo, matando por par de Nike, invejando a vida do Eike

As de 13, chapadas em chopadas dando chupada
A troco de trocados, ou por um status de nada
Lei de Gandhi não é de grande valia por aqui
Contra o fluxo, onde querem aparecer eu quero sumir

Lembrei dos tempos ruins, sim, mas eu preferi esquecer
Tem coisas que não se explicam
Tem coisas que não se explicam
Só quem vem da onde eu vim é que vai entender

E se não era pra eu tá aqui
Ó quem brotou

Rotula em vitimismo
Esses séculos de injúria
Ah, ok, doutor

Somos peso na consciência
Ô, sangue de boceta
Não preciso que pinte
Sou teu boi da cara preta

Pente de 100 na minha ak-neta
Não atura
Vim por fogo na viatura
E fim

Zona norte de desconforto
Onde o rap real foi morto
E ressuscitou em meu flow shaolin

Hip hop, não cairás jamais nesse disfarce
Ao jogo, saiba:
Toda grana do caixa não ressarce

A vida/ devidamente estabelecida
Por Deus
Mas se alguém vai ter de cair
Cuidado com a perna dos seus

Lembrei dos tempos ruins, sim, mas eu preferi esquecer
Tem coisas que não se explicam
Tem coisas que não se explicam
Só quem vem da onde eu vim é que vai entender
Editar playlist
Apagar playlist
tem certeza que deseja deletar esta playlist? sim não

Momentos

O melhor de 3 artistas combinados