Alô Turista

Tião Simpatia

Alô turista, eu agora vou cantar
As belezas naturas do meu lindo ceará

Alô turista do sul
Alô turista do norte
Pegue já o seu transporte
E vem ver o mar azul.
Çeará, de norte a sul
E um misto de beleza.
De geri a fortaleza,
Do sertão a lbiapaba
Onde deus pintou a aba
Do chapéu da natureza.

Ceará, terra da luz
Onde a paz fez seu reinado
Quem chega fica encantado
Com os seus mares azuis
Quem gosta de “jazz e blues”
O destino é guaramiranga
Se tem praia, bota a canga
Se tem tanga, bota a sunga
Se tem sol, ninguém resmunga
Deixa a sunga e tira a tanga.

Vem conhecer fortaleza
De “alencar e lracema”
Ele, o autor do poema
Ela, a dona da beleza
Vem contemplar a grandeza
Da nossa cidade bela
Os prédios em volta dela
São gigantes de concreto
Presente dos arquitetos
Que se encantaram por ela

Não deixe de visitar
O maciço de baturité
Veja a serra como é
Olha a mata como está
Não esqueça quixadá
Terra da galinha choca
Os climas de ltapipoca:
Serra, sertão, litoral
A beleza de sobral
E frio da meruoca.

Horizonte é destacado
Por sua gente e o seu solo
O segundo maior pólo
Industrial do estado
Camocim, é meu reinado
Granja, é meu berço natal
Aquiraz, foi capital
Sua história é coroada
Viva canoa quebrada
Tesouro do litoral

Alô turista, eu agora vou mudar
Das belezas naturais, pras riquezas culturais
Do meu lindo ceará.

No cenário cultural
O ceará é completo
Ouça os irmãos aniceto
Com sua banda cabaçal
Cantoria, festival
Artesãos do juazeiro
Cego aderaldo, “o violeiro”
Que o brasil sabe quem é
E patativa do assaré
Famoso no mundo inteiro.

Quando falo em canindé
Tô falando em são francisco
Juazeiro, é padre cícero
Outro reduto de fé
Não esqueço são josé
Que é nosso padroeiro
Quando não chove em janeiro
E em fevereiro é escasso
Só 19 de março,
Reza a crença do roceiro.

Nossa maior vaquejada
E a de itapebussu
Conheça o maracatu
O cordel e a embolada
Outra festa animada
E o são joão daqui
Conheça o aracati
Sua história e seu retrato
E a exposição do grato
A maior do cariri

Há dois tipos de forró
Que alegram nossa terra
O chamado pé-de-serra
Proibido dançar só
Tem gente que acha melhor
O forró metalizado
Que a moça pra um lado
E o rapaz vai pro outro
E uns batendo nos outros
Mas ninguém sai machucado.

Hoje o nosso artesanato
E produto de primeira
E no barro, é na madeira
E na renda, é no trato
E na palha, é no mato
Hoje tudo vira arte
Cada um faz sua parte
E as partes formam conjuntos
Todos trabalhando juntos
Pelo pão que se reparte

Meu ceará das rendeiras
Vaqueiros e pescadores
Dos santos, dos lavradores
Das misses e das parteiras
Das serras alvissareiras
E dos sertões escaldantes
Dos mares, dos navegantes
Da música e dos humoristas
Nordestinos, “são artistas”
Cearenses, “são brilhantes”.
Editar playlist
Apagar playlist
tem certeza que deseja deletar esta playlist? sim não

Momentos

O melhor de 3 artistas combinados