A Alma Afoita da Revolução

Junú

É meio dia, é Sol a pino
Eu já transpiro e vou dizer
O meu lamento não tem história
Não tem memória, o mundo não se acabou
Daí por diante segui pensando (segui cantando)
Não acabou, mas está se acabando

No meio dia de um vinte e três de junho
Já a alguns anos depois do final dos tempos
Tanto calor mexeu com a minha cabeça
Eu estou vendo! Quase não me arrependo

Lá vem a banda, talvez seja uma miragem
Dobrado e marcha, mas parece um funeral
São deserdados, esqueléticos soldados
Numa parada, um desfile ou coisa igual

Não tem beleza, a miséria em suas faces
Verdade e lenda se arranjaram num só hino
Vão celebrando vitórias que nem sei se temos
O purgatório já não cabe um nordestino

É meio dia, é Sol a pino
Eu já transpiro e vou dizer

No juazeiro a cidade
Eterna virgília reveste
Paira no ar um fantasma
De paraíso ou de peste
No juízo final, o fórum
Da injustiça terrestre

A cidade se recolhe
Serene mobilizada
Numa muralha ou num manto
Guarda a tensão domada
Como se só ela soubesse
Da mensageira velada

Concentra o nervo-energia
A espera da pancada
Da ameaça que pende
Como pendão ou espada
Em prontidão de retesa
Em arco e flecha apontada

Pro fim da vida até que morte nos ampare
Será que existe pra esse mundo uma salvação
Se não, eu fico aqui vagando pelo tempo
Com minha alma afoita por revolução
Editar playlist
Apagar playlist
tem certeza que deseja deletar esta playlist? sim não

Momentos

O melhor de 3 artistas combinados