Rio Formoso

Luiz Faria e Silva Neto

Na beira do Rio Formoso fiz um rancho de taboca
Coração verde da mata onde a onça faz a toca
No Jirau já tem fartura de farinha e tapioca
E o meu prato preferido é cateto com mandioca


No machado fiz voar os cavacos da peroba
Plantei milho e feijão, dei sumiço na saroba
Bebo agua lá na bica numa folha de taioba
Escutando o jaó no meio da guariroba


Desce o sol avermelhado na fumaça da coivara
Saracura vem chorosa, quebrei tres potes não para
As caçadas de tatu quando é madrugada clara
Eu garanto o espeto misto quando fisgo a capivara


No relógio de matuto urutau que faz a hora
Como canta a mãe-da-lua quando a natureza chora
No virar da meia-noite nos mistérios desta flora
Já vi saci-pererê levar surra de caipora


Sou feliz olhando a lontra, quando nada vem de arranco
No olhar de cada bicho eu vejo um amigo franco
Longe da corrupção eu vou aguentando o tranco
Aqui não tem criminoso e nem colarinho branco.
Editar playlist
Apagar playlist
tem certeza que deseja deletar esta playlist? sim não

Momentos

O melhor de 3 artistas combinados