Sinhá Rita

Nhô Belarmino e Nhâ Gabriela

Muito longe, lá pras bandas do riachão
Onde às tardes faz fogueiras de assustar
Vive Sinhá Rita como flor lá do sertão
Cabelos soltos, cor morena e um quê no olhar

Corpo bem feito, pé pequeno, voz macia
Cheirava toda como um galho de alecrim
Ninguém passava se e de noite se é de dia
Sem vê Sinhá Rita enfeitada de jasmim

Tinha Sinhá Rita tudo que Deus pode dar
Tinha beleza, tinha graça e sedução
Tinha de tudo, mas faltava o principal
Tudo ela tinha, mas não tinha coração

O seu orgulho fez parede dentro dela
Dentro do peito só morava a ambição
Pra quem passava perto dela na janela
Dava o desprezo e não olhava isso não

Se advertia com os caboclo apaixonado
Cantando modas pelas noites de luar
E machucava os coração acabrunhado
Dizendo sempre, você já tem outro rival

Chico Violeiro por sua causa já morreu
Pedro Mané tá na cadeia há quinze ano
Passou-se o tempo e Sinhá Rita envelheceu
E da beleza só restou o desengano

Hoje quem passa se é de noite se é de dia
Junto a janela lá pras bandas do riachão
Vê que Sinhá Rita já não tem mais alegria
Que tinha tudo, mas não tinha coração
Editar playlist
Apagar playlist
tem certeza que deseja deletar esta playlist? sim não

Momentos

O melhor de 3 artistas combinados