Samba-Enredo 1976 - Rosinha, Minha Canoa

G.R.E.S. Acadêmicos do Cubango (RJ)

Num mundo de encanto e beleza
Foi quase que um mito sagrado
O homem que teve contato com a natureza

Na imaginação do escritor
Fez de sua canoa seu amor

Ela fazia tengo, delengo, tengo
Era a expressão que usava
Zangada querendo dengo
Urupianga beirando o rio
Avisa aos pássaros que a primavera chegou
Os caçadores no Araguaia cercaram
Jacaré-rei, morreu por amor ô ô
Jacaré-rei, morreu por amor
E o Zé Orocó ganhou dos índios Carajás
A canoa Rosinha, que não existe mais
Toda madeira é assim
Na coivara de fogo
Rosinha teve seu fim
E uma linda eguinha não deixou
O Zé que foi tão sofredor
Sentir demais a dor
Passou a ser uma nova Rosinha
E o Zé Orocó equeceu a agonia
Foi um final deslumbrante de felicidade, minha gente
Essa história de amor ô
Essa história de amor, diferente

Ô ô ô laiá
Vamos novamente
Com a Cubango cantar
Editar playlist
Apagar playlist
tem certeza que deseja deletar esta playlist? sim não

Momentos

O melhor de 3 artistas combinados