Ouvir Música

Quando Eu Abro Minha Cordeona

Pedro Ortaça

Quando Eu Abro Minha Cordeona

Quando eu abro minha cordeona a tristeza sai de perto
Ela parece um ventena berrando num campo aberto
Pois ela guarda relinchos de maleva que se empaca
E choramingos de guacho na hora de botar vaca

Se arreganho esta oito soco acariciando uma vaneira
Fico louco de aporreado com as obunas da mangueira
Do bojo da minha cordeona quando abro ela de verdade
Salta grama de forquilha dos passos da liberdade

(Os meus dedos nessa hora são potros que nem eu domo
Parecem dez pica-pau fuçando num cinamomo)

Me espicho quase uma braça e quando a saudade entaipa
Ela se aninha no meus braços mesmo que bugio na gaita
Se outro pegar minha cordeona peludeia e morre à míngua
Que ela sai fazendo cósca, enfrenada embaixo da língua

Com ela eu esquilo as penas e sempre toso a martelo
Pois tenho penas lanudas e outras que não dão velo
Os meus dedos nessa hora são potros que nem eu domo
Parecem dez pica-pau fuçando num cinamomo


Esse atropelo nos baixos duma rancheira marcada
Ouço o tropel de um parelheiro que ganhou de cola hasteada
Se acaso um grito de macho ouvirem num vaneirão
É a alma do Rio Grande de a cavalo na minhas mãos
Editar playlist
Apagar playlist
tem certeza que deseja deletar esta playlist? sim não

Momentos

Playlists Relacionadas

Ver mais playlists →

O melhor de 3 artistas combinados