Um Canto Meu

Miro Saldanha

Encilhei o baio, ruminando a soma;
Pra sobrar uns trocos do que eu recebi;
Terminei a lida, entreguei a doma;
Já não tenho nada pra fazer aqui.

Quando a vida cobra, não nos dá recibo;
Quem não tem raízes tem mais que partir;
Pisoteando a alma com o pé do estribo
E o peito sangrando não querendo ir.

(Quem sepulta os sonhos, paleteando a vida,
Vai abrir feridas para a solidão;
Se não se dá conta quando amadurece,
Um dia, envelhece de freio na mão.)

Quem cansou cavalos cuidando do alheio,
Nem mesmo o arreio não sabe se é seu;
Acho que chegou a hora da virada;
Já cansei de estrada, quero um canto meu!

Tem algo diferente, na manhã de maio;
Nem a liberdade não me satisfaz!
Fico disfarçando, ajeitando o baio;
E o olhar da moça me tirando a paz.

Como a terra se abre, quando o arado lavra,
Dizem que um olhar nos abre o coração;
É quando a luz dos olhos diz mais que a palavra
E o calor da pele, bem mais que a razão.

(Quem sepulta os sonhos, paleteando a vida,
Vai abrir feridas para a solidão;
Se não se dá conta quando amadurece,
Um dia, envelhece de freio na mão.)
Editar playlist
Apagar playlist
tem certeza que deseja deletar esta playlist? sim não

Momentos

O melhor de 3 artistas combinados