Contas

Miro Saldanha

CONTAS
(Letra e Música: Miro Saldanha)

Terra seca no coração
+ solidão e poeira
- fé + desilusão
= tentação, bobeira.

Vida nova ao sonho rural
+ vendaval urbano,
fim da conta e prova real
deu = engano.

REFRÃO
Quem já ouviu a cigarra
o meu canto entenderá;
por conta, diz a guitarra
o que minh'alma dirá.
Quem, pelo campo, fez tanto,
some as saudades de lá
e empreste a voz ao meu canto,
que eu trago o campo pra cá.

O concreto é cruel, assim!
É bem assim, covarde!
Quando a gente percebe o fim,
sei por mim, é tarde!

Soma o resto e divide o pão!
Pranto não, labuta!
Essa gente de "pé-no-chão"
não diz "não" sem luta!

REFRÃO (bis)
Editar playlist
Apagar playlist
tem certeza que deseja deletar esta playlist? sim não

Momentos

O melhor de 3 artistas combinados