Uniamérica

Miro Saldanha

Numa aquarela, o Divino Pintor
Pintou a mata, o rio e a flor;
No manto da noite, bordou pirilampos;
E os braços dos Andes se ergueram dos campos
Louvando o Criador!

E, ao pé dos montes, a mão do Senhor
Lançou misturas de raça e de cor;
Os rios correntes e os ventos andinos
Semearam sementes do povo latino,
Na terra do condor!

Mas, pelos mares, chegou o pior;
Vieram cobiças e o jugo opressor;
E esse solo sagrado se encharcou de suor,
Na mão do explorador!

(América! Sul América!
Luta América! Une, América!)

Não se explica a falta do pão
Onde a riqueza já brota do chão.
Sombras estranhas impõem seu jogo,
Desde a Amazônia à terra do fogo;
Pátria da exploração!

Mas o remédio que fecha as feridas
São vozes unidas dizendo que não!
A escravidão só será abolida
Quando surgir uma América unida,
Todos de mão na mão!

Grita que basta! e teu povo erguerá
Muitas bandeiras, mas uma nação!
E o teu sangue latino, um dia, se mesclará
Em um só coração.

(América! Sul América!
Luta América! Une, América!)
Editar playlist
Apagar playlist
tem certeza que deseja deletar esta playlist? sim não

Momentos

O melhor de 3 artistas combinados