Na Hora Do Mate

Miro Saldanha

Cansado de estrada e da vida cigana
Que a sorte mundana reservou pra mim
Juntei uns trocados da lida tirana
E ergui o meu rancho, de barro e capim;
E é onde me sento, já de mate feito
Pois, pra ser perfeito, tem que ser assim
Pra aquecer a alma no sol que ainda arde
E olhar a tarde tranqueando pra o fim

(Na hora do mate, refaço caminhos
Que o tempo daninho teima em apagar
E, ao sabor do mate, repasso lembranças,
Renovo esperanças pra, de novo, andar
E, quem sabe, um dia, nesse beijo amargo,
A morte, a lo largo, me encontre a matear
E eu vire uma estrela que, no céu, se estampa
Para olhar a pampa'a dormir e sonhar)

Elevo, em silêncio, em meio à quietude
A prece dos rudes ao Patrão dos pais
Pra quem tem um pingo, um rancho e saúde,
Nem é atitude querer muito mais
Mas peço que, um dia, meu rancho se cubra
De uma luz tão rubra quanto o sol que vai
E o amor se faça, num colo moreno
De suor e sereno da noite que cai

(Na hora do mate, refaço caminhos
Que o tempo daninho teima em apagar
E, ao sabor do mate, repasso lembranças,
Renovo esperanças pra, de novo, andar
E, quem sabe, um dia, nesse beijo amargo,
A morte, a lo largo, me encontre a matear
E eu vire uma estrela que, no céu, se estampa
Para olhar a pampa'a dormir e sonhar)
Editar playlist
Apagar playlist
tem certeza que deseja deletar esta playlist? sim não

Momentos

O melhor de 3 artistas combinados